//Descida do Glória emociona fiéis na Basílica Santuário

Descida do Glória emociona fiéis na Basílica Santuário

Duas horas e meia antes de a cerimônia da Descida do Glória acontecer, o técnico de laboratório Vicente Ribeiro, 43 anos, rezava ajoelhado na Basílica Santuário. Ele estava alí não para pedir proteção, mas simplesmente agradecer pelo dom da vida. “Há 3 anos eu venho aqui, ver de perto a imagem da minha santinha, e agradecer por estar vivo e com saúde. Agradeço também pela saúde de toda a minha família”, disse ele.

Assim como Vicente, o caseiro Oscar Araújo, 60 anos, também participava da missa de adoração à Padroeira dos paraenses, que aconteceu na manhã deste sábado (13), na Basílica Santuário. “Vim para ver a imagem original de perto e me sentir abraçado por Nossa Senhora. Aquele momento no qual ela desce do altar e se aproxima de nós é muito emocionante”, disse o caseiro.

Promessa pela cura – Na entrada da Basílica Santuário, a aposentada Adília Castro distribuía 235 medalhas de Nossa Senhora de Nazaré em pagamento a uma promessa “Em 2005, minha filha foi curada de um AVC depois que colocou uma medalha como essa em seu braço. Desde então, me comprometi a entregar essas medalhas em todos os anos durante o Círio. Não é só pagamento de promessa, é o desejo sincero de levar a proteção da nossa padroeira a todos os que a recebem”, pontuou a devota.

A benção da Padroeira – Por volta do meio-dia aconteceu o momento mais esperado do dia. Assim que a moto romaria passou pela Basílica Santuário, trazendo a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, o arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, entrou na Basílica para a cerimônia conhecida como Descida do Glória, que acontece desde 1968.

É quando a imagem original de Nossa Senhora de Nazaré, a que foi achada pelo caboclo Plácido, desce do altar mor da Basílica e é levada pelas mãos do arcebispo para abençoar os fiéis de perto. Depois, a imagem é colocada em uma redoma de vidro. O momento de cumplicidade comove os devotos. “Passa um filme na minha cabeça de toda a minha vida durante a qual Nossa Senhora foi decisiva. Foi ela que me amparou em todas as lutas” disse a dona de casa Lucia Moraes, 65 anos.

Esculpida em madeira, a imagem tem 38,5 centímetros e apresenta traços de uma senhora portuguesa. “Esse é um momento de muito simbolismo para a Igreja Católica. É quando, misticamente, a Virgem Maria desce do céu para ficar aqui na terra, entre nós, e ouvir de perto as nossas preces e louvores”, disse o pároco José Ramos.

A imagem permanece na redoma na Basílica Santuário durante os 15 dias da quadra nazarena, retornando ao altar durante o Recírio.

Por: Syanne Neno

Fotos: Carlos Sodré